A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ _The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours | of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021 | of 2022 | of 2023

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Brazil, UNIPA: A aventura golpista bolsonarista e o reforço do Estado! (ca, de, en, it, tr)[traduccion automatica]

Date Fri, 20 Jan 2023 09:51:47 +0200


Hoje o Brasil passou por uma aventura golpista. Articulada pela base social de Bolsonaro/PL, que fugiu para os EUA antes do final do seu mandato. A ação, coordenada por grupos que já vinham ocupando portas de quartéis desde que Bolsonaro perdeu as eleições burguesas, já vinha sendo divulgada a alguns dias. Podemos observar a facilidade com a qual os bolsonaristas entraram nas sedes dos três poderes da República. Em muitos vídeos vemos policiais conduzindo os bolsonaristas para esplanada e facilitando suas ações. ---- Bem diferente de manifestações populares, que mesmo com imensa força popular, como no 17 de junho de 2013 em Brasília, onde mesmo com 40 mil pessoas nas ruas, os insurgente do levante popular, não conseguiram entrar nos prédios e se chocaram com a violência da polícia. Assim, é importante dissociarmos a violência conservadora da direita desde 2016, da insurgência popular antisistêmica do levante de junho de 2013.

Dos EUA, Bolsonaro e seu ex ministro e secretário de segurança do DF, Anderson Torres/União Brasil assistiram a ação da sua base social, insuflada por sua narrativa violenta e antipopular.

No campo da esquerda, do reformismo renovado ao degenerado[i], a proposta é, em maior ou menor medida, a defesa do Estado repressor, abstraindo as diversas formas de formação desse bolsonarismo, onde essas sim precisam ser combatidas.

A narrativa de "terroristas" por parte da esquerda reformista é perigosa e tende a atacar a todos os que questionem a ordem vigente, à esquerda e à direita. Assim, é uma narrativa que hoje ataca a direita, mas que em breve se voltará contra o povo em luta.

Identificamos alguns possíveis cenários: 1) fortalecimento da repressão à qualquer manifestação combativa. Incluímos ai a greve dos entregadores por aplicativos, marcada para o dia 25/01, e que já vem sido atacada por lulistas e petistas; 2) manutenção das mobilizações da extrema direita. A repressão, se não desbaratar a organização, pode dar maior unidade interna e levar parte da militância a uma maior radicalização; 3) com a fuga da liderança carismática, abre-se um vácuo de liderança da extrema direita, que pode ser preenchido por novas lideranças regionais, ainda não conseguiram se construir como liderança nacional; 4) a possibilidade dessa direita conseguir construir um partido centralizado, que possa dar unidade e comando para essa base violenta.

As tarefas para o povo continuam sendo as mesmas apontadas por nós. Como afirmamos no comunicado 79:

1) retomar e fortalecer as instâncias básicas de luta e organização da classe trabalhadora, tais como assembleias, reuniões, agitação, propaganda, protestos, greves e redes de solidariedade com vista a construção da FOB e do congresso do povo;

2) combater o protofascismo nos setores mais difusos e desorganizados do povo e a ideologia lulista no movimento popular-sindical: tais combates devem combinar as lutas por reivindicações imediatas concretas e a luta ideológica em defesa da independência de classe, da greve geral e do boicote eleitoral. O lulismo e o bolsonarismo são duas formas históricas da negação da capacidade política autônoma da classe trabalhadora, portanto, o princípio da independência de classe sem uma luta ideológica claramente definida contra essas duas tendências não passa de fraseologia oca, e esta luta ideológica produzirá mais efeito dentro de movimentos reivindicativos reais;

Anúncios

DENUNCIAR ESTE ANÚNCIO

3) construção e fortalecimento de novas ferramentas de luta do proletariado e dos povos (sob a estratégia do sindicalismo revolucionário), tais como movimentos e sindicatos autônomos, oposições combativas, grupos de apoio mútuo, assembleias populares, cooperativas, etc.;

4) o desenvolvimento de uma linha de massas revolucionária que articule a tarefa de oposição às burocracias e de organização autônoma de massas, ou seja, que tenha flexibilidade tática para disputar o curso das lutas como Oposição e como Movimentos Independentes

[i]https://uniaoanarquista.wordpress.com/2023/01/07/as-eleicoes-burguesas-e-a-violencia-de-classe-nao-temos-uma-democracia-a-defender-mas-uma-tirania-a-combater/#_ftn14

https://uniaoanarquista.wordpress.com/2023/01/09/a-aventura-golpista-bolsonarista-e-o-reforco-do-estado/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe https://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center