A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ _The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours | of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Federação Anarquista de Rosário - Mais uma vez, a farsa eleitoral: o povo só vence quando luta [Posicionamento da junta] (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

Date Thu, 18 Nov 2021 08:01:35 +0200


Estamos a dias de um novo dia de circo eleitoral, em meio a um contexto gravíssimo de crise social, econômica e de saúde, atormentado pelo desemprego, inflação, flexibilidade trabalhista e queda salarial, gatilho fácil, criminalização de protestos, despejos, carência de habitação, saúde e educação. Diante do espetáculo eleitoral novamente encenado pelos de cima, em uma disputa pelas cadeiras do parlamento burguês, só podem ficar promessas e falsas esperanças para os de nossa classe, os de baixo. ---- Se deixarmos de lado a campanha eleitoral -que leva quase um ano se contarmos o PASO-, maquiado e totalmente esvaziado, com uma distribuição clientelista de migalhas, com a aposta em palhaçadas e bizarras ações, podemos ver a licitação que é estabelecendo-se entre os de até para ocupar cadeiras no parlamento e configurando um novo mapa de poder político, favorável aos interesses que cada partido representa. De facto, nos últimos tempos, a falta de plataformas ou programas partidários tornou-se ainda mais evidente, dando prioridade às "figuras do momento" que melhor medem. Todas essas são características significativas da verdadeira essência da democracia representativa e do tipo de política que não resolve os problemas dos que estão abaixo.
Estamos em um período marcado por ajustes, e estamos verificando se cada governo que empossar propõe uma continuidade em relação a essa linha; com intensidades e argumentos diferentes, mas com a mesma premissa. É claro que não há fissura quando se trata de sustentar o pagamento ao FMI, do modelo extrativista, ou de aprofundar o ajuste e a repressão. Lembremo-nos de que, há poucos anos, boa parte dos setores populares elevou a esperança de uma Frente que lhes desse um trégua às políticas de miséria de Macri, mas a ilusão não durou muito. Mais uma vez, forçado a ir às urnas, o povo tem cada vez menos expectativa de que isso mude.
Nesse contexto, a Frente de Todos, em crise como coalizão, busca reorganizar seus arquivos em torno da manutenção de sua governança e fluxo eleitoral; tanto a nível nacional como nas províncias. Cada vez mais acuado por propostas e projetos da extrema direita liberal, que pressiona e sabe canalizar certo descontentamento social, como é o caso de Milei ou ainda - mais moderadamente - Juntos pela Mudança. Neste "jogo eleitoral", o partido governante está virando à direita o discurso e a política real, para "impedir o avanço" desses setores. Nesse quadro, cada ação combativa das organizações populares é caracterizada pelo Governo como "jogar o jogo da direita".
Também vale a pena mencionar setores de esquerda, que continuam tentando obter cargos e assentos nos aparatos de Estado, e que erroneamente depositam todas as suas forças nesses processos, esvaziando ou institucionalizando as diferentes lutas.
Para os que estão abaixo só temos organização, ação direta contra os algozes do povo e seus intermediários. Não há saída possível dentro das instituições do Estado, instrumento usado por quem está acima para manter seus privilégios. Não nos distraia com as luzes do marketing de candidatos, ou com os espelhos coloridos dos votos e das cadeiras. A saída é a organização de baixo para recuperar nossos sindicatos, nossos locais de estudo, nossos territórios com nossos irmãos e irmãs de classe para enfrentar a repressão e a precariedade de vida a que os de cima nos sujeitam. Só com ação direta e independência de classe, sem intermediários de políticos ou patrões, é que vamos reverter a miséria em que vivemos. Fortalecer a liderança popular,
"Não acreditamos que a questão essencial seja, em última análise, votar ou não votar. O que importa é o que é feito e não o que é votado. O que define não é a atitude de um domingo isolado no final de novembro, cada um enfiando pedacinhos de papel em um buraco de uma sala secreta ... O que define é o que se faz, como se faz e porque se faz feito, todos os dias que precedem e todos aqueles que seguem aquele domingo folclórico... Só pela ação direta se forja um povo forte ". Gerardo Gatti, 1966. 11 de novembro de 2021.
? Organização Anarquista de Córdoba
? Organização Anarquista de Tucumán
? Federação Anarquista Rosario
? Organização Anarquista de Santa Cruz

https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=298645128930395&id=100063547308480
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe https://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center