A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ _The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours | of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Canada, Collectif Emma Goldman - Afeganistão visto pelas mulheres da Associação Revolucionária das Mulheres do Afeganistão (RAWA) (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

Date Tue, 24 Aug 2021 16:29:04 +0300


Manifestação organizada para marcar a luta contra o retorno do Taleban ao poder. Este último rapidamente reprimiu essa demonstração. Crédito da foto: Reuters. ---- O Taleban tomou o poder no Afeganistão após a retirada das forças de ocupação dos EUA. Embora a situação das mulheres afegãs tenha sido frequentemente instrumentalizada pela grande mídia e intelectuais filo-imperialistas para legitimar as intervenções ocidentais, queríamos traduzir para o francês esta entrevista com um dos porta-vozes da Associação de Mulheres Revolucionárias. Afeganistão (RAWA), realizada algumas semanas atrás, quando o Taleban iniciou sua reconquista militar.
RAWA é uma organização política feminista com sede em Quetta, Paquistão, e fundada em 1977 por Meena Keshwar Kamal com o objetivo de ajudar as mulheres em sua luta pela emancipação e pelos direitos civis. A partir da década de 1990, durante o primeiro regime talibã, ela desenvolveu atividades clandestinas no país em prol da emancipação das mulheres. Por meio dessa entrevista realizada pelo Osservatorio Afeganistão, Maryam faz um balanço de 20 anos de ocupação ocidental e formula perspectivas sobre a continuação da luta na nova sequência que se abre.

Desde a queda do Taleban em 2001, que progresso foi feito no que diz respeito à condição da mulher no país?

Houve muito poucos avanços e podemos dizer que nenhuma dessas mudanças se enraizou profundamente na sociedade. Eles são frágeis e, de certa forma, ilusórios. Os últimos 20 anos trouxeram mais decepções e mais lágrimas. Insegurança, guerra generalizada e incerteza sobre o futuro, atentados suicidas, assassinatos seletivos, corrupção desenfreada, drogas e vício em drogas, pobreza, deslocamento da população e muito mais, são as preocupações diárias de nosso povo, especialmente as mulheres. O Afeganistão ainda é descrito como "o pior lugar para se nascer mulher". Um de nossos membros disse profeticamente em uma entrevista em 13 de março de 2002: "Sabemos que é difícil não querer reagir quando ocorre um evento como o 11 de setembro, mas o bombardeio do Afeganistão não livrará o mundo do terrorismo. Terroristas e fundamentalistas vivem em todo o mundo, e bombardeando um país, você não está matando sua rede ". Hoje vemos o resultado: o Taleban, mais poderoso do que antes, está governando o país.

Quais foram os maiores sucessos e os maiores fracassos desses vinte longos anos de ocupação militar?

Tem havido alguns sucessos, como o fato de as meninas não serem mais proibidas de ir à escola e as mulheres poderem realizar determinados trabalhos. A mídia conseguiu chegar até as aldeias mais remotas e as pessoas tiveram acesso a programas de rádio e televisão. Sistemas de comunicação como telefones celulares e internet foram introduzidos. Essas coisas podem parecer óbvias, mas para um país muito pobre e atrasado, são conquistas reais. Mas, ao mesmo tempo, a corrupção se espalhou e o fosso entre ricos e pobres aumentou. Sob o Talibã, o cultivo de ópio foi proibido, mas hoje o Afeganistão é a maior base de contrabando de drogas, enquanto as divisões étnicas e os confrontos armados estão em seu ápice.

Gostaríamos também de lembrar que, se o Afeganistão foi bombardeado pelos Estados Unidos e pela OTAN, é por causa do Talibã e da Al Qaeda. Hoje, o Taleban está de volta ao poder e o Daesh está presente em todo o país ... Mesmo que o Taleban governe o Afeganistão, o terrorismo, a destruição e os combates não irão parar. Enquanto os Estados Unidos e muitos outros cortesãos envolvidos, como Paquistão, Irã, Turquia e até mesmo Rússia, China e Índia encontrarem seu interesse em apoiar fundamentalistas religiosos e criminosos conhecidos, será difícil encontrar uma solução.

De acordo com a Human Rights Watch, cerca de 87% das meninas e mulheres afegãs são vítimas de agressão durante a vida. Esses números são assustadores ...

O Afeganistão sempre foi um lugar miserável para suas mulheres devido à forte mentalidade patriarcal, sistema feudal, falta de educação, cultura e tradições, crenças religiosas, etc. Mas os 40 longos anos de guerra e principalmente o fortalecimento do fundamentalismo tornaram a situação ainda pior.

As mulheres afegãs sofrem o impacto da guerra e da violência persistente. Casos de estupro, sequestros, casamentos forçados, casamentos de menores e violência doméstica são relatados diariamente. Existem várias razões pelas quais esses números não estão diminuindo, mas a principal é a força desses fundamentalistas que têm sido apoiados pelos Estados Unidos e que são os mesmos misóginos que têm assento no parlamento, que fazem as leis, que controlam o polícia, judiciário e todos os órgãos governamentais.

O papel das ONGs ocidentais no país foi positivo ou negativo?

As ONGs em nosso país fizeram parte da ocupação militar ocidental. Eles cresceram como cogumelos depois de 11 de setembro. Com exceção de alguns pequenos projetos bem-sucedidos, a maioria deles desempenhou um papel negativo. A USAID (agência governamental dos EUA) implementou principalmente as políticas dos EUA, assim como muitas outras ONGs internacionais.

Essas ONGs também foram o principal motivo da corrupção e do suborno. Eles realizaram projetos que eram bons apenas no papel, sob a supervisão de estranhos, e não fizeram nenhuma mudança real na vida de nosso povo.

Os países ocidentais deixaram o Afeganistão um após o outro. A retirada dos EUA foi um erro? E se não, por quê?

Sim, quase todos os países saíram. Isso não é absolutamente um erro para nós, é mais uma coisa positiva. Estávamos totalmente contra essa ocupação e a presença dessas tropas. Mas, infelizmente, essa retirada é resultado de um acordo diplomático entre os Estados Unidos e o Taleban. Mais uma vez, como nos anos anteriores, são os civis afegãos que estão pagando o preço. Os combates em curso estão matando civis, queimando suas casas e fazendas e forçando-os a deixar suas aldeias.

A RAWA acredita firmemente que nenhuma nação pode receber paz e progresso como se fosse um presente. As nações devem lutar, construir a paz com suas próprias mãos, para ter um vínculo sólido com ela.

O que acontecerá se o Taleban assumir o poder?

Eles já estão no poder nas principais partes do país, mas tudo aconteceu de repente. As pessoas ainda estão em choque. Até agora, eles agiram de forma diferente dependendo da área: algumas áreas ainda são disputadas, sob o fogo dos combates, mas outras cidades e fronteiras foram entregues a eles sem resistência. Mais cedo ou mais tarde eles chegarão a Cabul e será difícil prever o que acontecerá. O Taleban fará o possível para manter uma imagem positiva e diferente desta vez. Eles também tentarão obter apoio internacional. Eles podem organizar "eleições", mas é impossível esconder sua natureza misógina, criminosa e ambígua. Nos últimos dias, as pessoas ficaram assustadas com seus atos criminosos e nenhum afegão pode esquecer os ataques horríveis realizados nos últimos anos,

Até mesmo os membros femininos da chamada delegação de negociações de paz, como Fouzia Kofi, alegaram que o Taleban estava mudando, mas os últimos dias provaram o contrário. O Taleban está apenas esperando o momento certo para chegar a Cabul e criar seu emirado islâmico, que aplicará a lei Sharia e interferirá em todos os aspectos de nossas vidas.

É a alternativa fugir?

De jeito nenhum. Encontraremos uma maneira de continuar nossa luta dependendo da situação. É difícil dizer como, mas certamente continuaremos nossas atividades clandestinas como fizemos na década de 1990 sob o Taleban. Claro, isso não virá sem riscos e perigos, mas qualquer forma de resistência requer sacrifício.

Postado 17 horas atrás por Collectif Emma Goldman

L'Afghanistan vu par les femmes de la Revolutionary Association of the Women of Afghanistan (RAWA)
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center